Reserva de Safári na África do Sul: escolha sem surpresas

safári reserva privada África do Sul
6 minutos para ler

Confusão e desinformação na hora de escolher a reserva de safári na África do Sul levam a decisões equivocadas, comprometendo a qualidade do seu roteiro de viagem. Antes de mais nada, é fundamental compreender o que é uma reserva privada de safári.

A próxima precaução é evitar os erros frequentes. Através dos sites para reservas, temos observado muitos turistas brasileiros escolhendo de forma equivocada e cometendo erros básicos. A escolha da reserva de safári possui influência direta no custo da sua viagem e na harmonia com o restante do roteiro.

Os 4 erros clássicos na escolha da reserva de safári

1. Confundir reserva privada e parque nacional

Por mais absurdo que pareça, esta confusão é relativamente comum em reservas diretas online. Especialmente se o objetivo da busca é um safári com valor mais acessível ou em datas de alta temporada, quando as disponibilidades das reservas privadas mais procuradas ficam escassas.

2. Reservar hospedagem sem estrutura de safári

Nas regiões tradicionais de safári, também existem opções de hospedagem convencional. Nos sites de reserva online as opções aparecem misturadas e nem sempre as diferenças ficam claras para o usuário – exceto as diferenças de preço, que acabam atraindo quem não quer gastar muito.

3. Escolher uma reserva com poucos animais

Em Hoedspruit, importante centro de safári na região do Kruger, há condomínios residenciais fechados com animais selvagens em seus domínios. Há estabelecimentos nestes condomínios que se vendem como reservas privadas e oferecem um safári de baixa qualidade. Lamentavelmente, brasileiros são os hóspedes mais frequentes. Este exemplo se repete em muitas situações semelhantes.

4. Escolher uma reserva ou região equivocada

Reservas próximas a Cape Town, famílias com crianças em reservas onde não é permitida a participação dos pequenos no safári, casais em reservas familiares, reservas muito remotas em roteiros curtos. Estes são apenas alguns dos erros cometidos por viajantes desavisados ou agências inexperientes.

Os 6 pontos fundamentais na análise da reserva de safári

Há mais de 100 reservas privadas de excelente qualidade na África do Sul – e um número ainda maior de reservas de qualidade duvidosa. Sempre recomendamos orientação profissional em viagens para a África, tão importante quanto a escolha consciente da sua reserva de safári. Conheça agora os critérios de avaliação de uma reserva.

1. Qualidade do safári

Naturalmente o critério mais importante. A qualidade do safári está relacionada à área da reserva, à densidade de indivíduos de cada espécie animal, ao sistema da reserva (aberto ou fechado), à presença de rios e diversos fatores ligados à biodiversidade e ao ecossistema de cada região. O conhecimento dos guias (rangers e trackers), o estado dos veículos e estradas na reserva também influenciam a qualidade do safári.

2. Qualidade da hotelaria

A sofisticação das reservas privadas de safári na África do Sul possui fama internacional, e este é um dos fatores de atração para os lodges. Algumas reservas são verdadeiros palácios na savana. Quartos superiores possuem piscinas privativas e vista para nascentes, onde os animais costumam se banhar ou beber água. Muitas reservas são ícones do luxo extremo, que marcam presença no imaginário coletivo do safári. Propriedades 4 ou 5* também oferecem excelente estrutura para uma experiência com muito conforto e charme. Algumas reservas oferecem tendas de luxo, que recriam as condições do romântico safári de outrora.

3. Qualidade da gastronomia

Como as reservas oferecem pensão completa no valor da diária, a qualidade da gastronomia também é um importante fator de consideração. Mesmo reservas 4* oferecem um elevado padrão gastronômico, normalmente buffets com opções de culinária local (carnes de caça, cape malay cuisine e outras especialidades regionais) e internacional. Nas reservas de padrão superior, restaurantes à la carte e buffets sofisticados oferecem as melhores experiências de gastronomia, sempre acompanhadas de selecionados vinhos sul-africanos.

4. Localização geográfica

A localização geográfica possui estreita relação com a qualidade do safári. As condições do ecossistema em uma região específica delimitam as espécies e características da vida selvagem naquela reserva. As características gerais de uma reserva na região do Kruger, no Kalahari, em Pilanesberg ou em KwaZulu-Natal são conceitualmente diferentes. Reservas próximas a Cape Town, nunca recomendadas pela ACT, possuem características climáticas que não favorecem a existência saudável de muitas espécies animais, como elefantes, rinocerontes e felinos.

5. Acessibilidade

Muitas reservas possuem campos de pouso particulares: voos em aeronaves pequenas conectam os principais aeroportos da África do Sul a estas reservas. As tarifas destes voos não são exatamente uma pechincha, e muitos preferem voar em aeronaves maiores. Também há aeroportos convencionais, nas principais regiões de safári, que são servidos por voos regulares em aeronaves médias. As condições ideais de acesso são as reservas mais próximas destes aeroportos. Também há reservas excelentes, porém em regiões remotas e de difícil acesso, que não são indicadas para quem chega de um outro continente ou possui tempo escasso para a viagem.

6. Preço

Qualquer tipo de safári eleva os valores de um roteiro pela África, e uma estadia em reserva privada de qualidade nunca foge a esta regra. As reservas top possuem preços astronômicos e são perfeitas a quem pode arcar com tais valores. Com critério e bom senso, é possível acertar na escolha da reserva mesmo sem despender um valor absurdo. Analisar a relação custo x benefício de cada reserva, os valores cobrados e o que cada uma oferece é fundamental para uma experiência inesquecível e coerente com o orçamento de cada um.

Não caia na armadilha da opinião sem amostragem !

Ao longo de décadas de experiência no assunto, observamos muitos viajantes tomando decisões com base na opinião de amigos ou de relatos na internet. Salvo raras exceções, a base é uma única experiência de safári: uma reserva em um momento específico, sem nenhum parâmetro comparativo ou atualizações.

O que foi bom para seu amigo ou colega de trabalho pode não ser o melhor no seu caso e no momento específico da sua viagem. A África e a vida selvagem possuem um elevado grau de dinamismo e imprevisibilidade.

Nossa equipe visita em média 10 reservas privadas por ano, todos os anos, repetindo as tradicionais e testando as novidades. Temos a avaliação mais atualizada, criteriosa e profissional que existe sobre safári.

Compreendemos a importância em indicar a reserva mais adequada para cada perfil específico. No tamanho exato do seu orçamento, em harmonia com o seu roteiro e as suas prioridades.

Entre agora mesmo em contato para maiores informações ou assine nossa newsletter com notícias sobre as principais reservas de safári da África !

Adriano Lucchesi é administrador de empresas (FGV), MBA em economia do turismo (FEA-USP), fundador da Atlantic Connection Travel (1996) e da ACT Afrika Tours & Safaris (2009), operadoras de viagem especializadas em África e Ilhas do Índico, com sedes em São Paulo, Cape Town e Odessa.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Translate »