Agulhas – Alexandria, prólogo 1: Cape Agulhas

monstros do mar
5 minutos para ler

Poucas metrópoles no planeta possuem a inusitada combinação dos elementos usuais de uma cidade grande – positivos e negativos – com elementos de natureza primitiva e quase intocada. Um executivo sai de sua sala de trabalho, na sede de uma empresa multinacional no centro de Cape Town e começa seu trekking na Table Mountain em menos de 10 minutos. Se preferir, no mesmo intervalo de tempo, chega às gélidas águas do Atlântico e suas praias espetaculares, com vistas singulares da Lions Head.

Também impressiona a quantidade de viagens curtas que se pode fazer a partir de Cape Town, isolando-se em parques com natureza preservada e exuberante, praticando esportes, observando animais terrestres ou marinhos, experimentando vinhos ou gastronomia de alta qualidade. As mais conhecidas dos turistas são Cape Point e Winelands, mas há uma infinidade de atrações de primeira grandeza, que são solenemente ignoradas por uma grande parcela dos visitantes.

Western Cape regions

A região conhecida como Overberg guarda muitos destes santuários da natureza. É uma das seis regiões da província de Western Cape, localizada ao sul das Winelands e entre Cape Town e a Garden Route.

Overberg

Cape Agulhas, o ponto extremo sul do continente africano, marca o verdadeiro encontro dos oceanos Atlântico e Índico. A coordenada oficial é 34°49’58″ sul e 20°00’12” leste. Não poderia escolher outro local como o ponto de partida oficial da travessia do continente.

Cape Agulhas

Pelo menos uma vez por ano visito a região, que apesar de contar com inúmeras atrações turísticas, mantêm o isolamento e a vocação agrícola, com predominância das fazendas de trigo. O nome Overberg (em tradução livre, acima da montanha) refere-se ao desnível a partir do Sir Lowry’s Pass, facilmente compreensível para quem percorre a N2 logo após Somerset West.

O Agulhas National Park protege a faixa litorânea que marca o encontro dos oceanos, bem como a fauna marinha e terrestre da região. A acidentada e misteriosa costa de Agulhas guarda muitos naufrágios, bem como o segundo farol mais antigo da África do Sul.

Cape Agulhas

De Hoop Nature Reserve abriga o menor e mais ameaçado reino vegetal do mundo – o Cape Floral Kingdom. Das 9.000 espécies de plantas encontradas na região floral do Cabo, a reserva e seus arredores têm cerca de 1.500 delas. De Hoop tem 86 espécies de mamíferos: o ameaçado bontebok é o protagonista, mas também há zebras da montanha, elands (o maior antílope), babuínos, caracais e até mesmo leopardos, raros mas já documentados na reserva.

A reserva marinha, que se estende por 5 km mar adentro, é uma das maiores áreas marinhas protegidas da África. Protege uma vasta e fascinante variedade de vida marinha e foi listada como patrimônio mundial da Unesco. De Hoop tem uma das melhores trilhas da África do Sul: a trilha da baleia (Whale Trail). Esta rota oferece caminhadas pela costa e pela montanha, com vistas espetaculares e muitas oportunidades para observação de baleias a partir das dunas .

De Hoop

A reserva também tem mais de 260 espécies de pássaros, incluindo muitas aves aquáticas que vivem ao redor do lago De Hoop Vlei (abaixo). Potberg é o lar da única colônia de reprodução remanescente do raro urubu-do-cabo (Cape Vulture). Koppie Alleen um dos melhores pontos para observação de baleias francas (southern right).

De Hoop Collection é a opção de hospedagem dentro do parque. Oferece desde camping até opções luxuosas, em bangalôs da histórica fazenda existente no local, no mais autêntico estilo “Cape Dutch”. Há uma grande variedade de passeios guiados ou em self-drive, mountain bike e barco no lago. Experiência imperdível para famílias e casais.

De Hoop Collection

Em 1815, o navio britânico Arniston naufragou próximo da colônia de pescadores conhecida como Kassiesbaai. Dois séculos se passaram, a pitoresca colônia de pescadores continua no mesmo lugar e se transformou em um patrimônio cultural da pequena cidade, que adotou Arniston como nome oficial.

Na maré baixa, é possível visitar Waenhuiskrans, a “caverna da casa do vagão”, uma gruta grande o bastante para alojar um trem. É um passeio imperdível e pode ser feito a pé, com cuidado, em uma bela caminhada pela faixa litorânea de Arniston.

O Arniston Spa Hotel fica de frente para o mar e de suas sacadas é possível avistar baleias na temporada. É um hotel 4* e atrai muitas famílias sul-africanas. Conta com spa, restaurante e a melhor localização em Arniston, próximo a Kassiesbaai e Waenhuiskrans.

Arniston Hotel

Estas são apenas algumas das atrações do Overberg. Também são imperdíveis as reservas de Kogelberg, Walker Bay, De Mond, o charme montanhoso de Swellendam e das costeiras Gansbaai e Hermanus. Atrações fascinantes que podem facilmente prender o visitante por mais de uma semana de viagem.

Desta vez, infelizmente não pude ficar mais tempo. Mas o objetivo maior estava cumprido: enchi a minha garrafa com água do mar, no ponto exato em que os oceanos se encontram. Esta garrafinha, com a fusão mágica das águas do Atlântico e do Índico, vai me acompanhar até o Mediterrâneo.

*
*
*

Gostou? Este post faz parte do projeto Agulhas – Alexandria, a travessia completa da África do Sul ao Egito, planejada e executada pela Atlantic Connection Travel. Conheça a história completa:
Próximo post: Agulhas – Alexandria, prólogo 2: o Cabo da Boa Esperança
Post anterior: Agulhas – Alexandria: planejamento e preparação

Adriano Lucchesi é administrador de empresas (FGV), MBA em economia do turismo (FEA-USP), fundador da Atlantic Connection Travel (1996) e da ACT Afrika Tours & Safaris (2009), operadoras de viagem especializadas em África e Ilhas do Índico, com sedes em São Paulo, Cape Town e Odessa.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Translate »